Obcecada

1.7.13

Não sei como, nem quando começou. Só sei que virou uma obsessão. No início, tinha aquele jeitão de “faço porque quero ser a esposa perfeita” – com certeza, em algum momento em que andava de bem com o sexo oposto – ou talvez tenha pensado em algo como “faço porque é aquilo que toda mulher deve fazer” – resignada com o papel feminino na sociedade. Mas, graças a Deus, a coisa mudou de figura. Até porque nenhum desses motivos é realmente merecedor de tanto esforço e dedicação. Hoje, minha máxima é apenas “faço porque gosto de como me faz sentir”.

Caso não tenha ficado claro, estou falando de cozinhar.

É impressionante o poder que a cozinha exerce sobre mim – e ele só cresce, a cada dia que passa. Mesmo quando me sinto acabada, após um longo dia de trabalho, ou estou introspectiva, sentindo-me sozinha, a cozinha é o melhor dos remédios. Antes, isso seria diagnosticado como a síndrome da dona de casa Poliana, mas o mundo é outro. Aleluia.

Tem alguma coisa na mistura de texturas, cheiros e cores que me impressiona. Itens antes sem vida ganham novas personalidades em questão de minutos. Basta que não falte inspiração. E quando sobra criatividade, até um simples ovo vira comida de chef – o que não quer dizer que a comida do dia a dia não seja digna de capa de revista.

Mas o mais esplêndido da cozinha não é ver a alface levar o papel de protagonista ou acompanhar a transformação de jiló em iguaria (tudo bem, apelei. Jiló não vale. Troquemos por berinjela), e sim todo o sentimento, o amor e a entrega que fazem parte de cada ensopado, assado, cozido e até da mal falada fritura (na minha cozinha, ela tem vez. Esse papo de gordura localizada é para as fracas).

Cozinhar é 100% doação. Cozinhar é fruto do amor mais puro, do carinho mais nobre, do afeto mais verdadeiro. É por isso que hoje em dia cozinho cada vez mais para um grupo seleto. Longe de mim dar tanto para quem não merece. E essa decisão tem garantido momentos memoráveis.

Lembro-me do prazer de fazer um almoço para a minha família. O abre e fecha das bocas e seus alimentos mastigados, talheres tilintando apressados, cotovelos em um duelo silencioso... Apertado, barulhento e, ainda assim, inesquecível.

Também memorável foi o primeiro elogio da minha mãe. Ela, que para mim é um exemplo de dedicação e honra à boa comida, se deliciou com algo que eu fiz. Eu. Sem ajuda. Foi como parar de usar fraldas ou começar a andar.

E como esquecer as noites em que comi uma omelete sozinha, sentada na cama, tendo como companhia apenas atores projaquianos e uma taça de um vinho meia boca? Gostoso do mesmo jeito.

É por isso que digo que cozinhar não é só para quem sabe – pior ainda é dizer que deve-se ter medo de errar. Cansei de mastigar frango duro, massa mole demais, molho sem sal ou tempero. Recentemente, chorei copiosamente quando vi meus cupcakes sabor donuts afundarem na forminha diante de um par de olhos esperançosos – e famintos. Erra-se muito até ganhar confiança e adquirir destreza. E quando se acha que a coisa está dominada, erra-se de novo. Só para evitar a soberba.

Não importa se o tempo é curto, se a grana (para os ingredientes) é mínima e se o talento é escasso. Entregue seu coração à cozinha e ela devolverá em troca um mundo surpreendente, rico, apaixonante. Daqueles que a gente não pensa em largar mais.

24 comentários:

  1. Eba! Amiga, vou amar ler suas histórias gastronômicas! Já viu que vou ser leitora assídua, né?!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kati, delícia poder contar com uma leitora tão refinada quanto você!

      Excluir
  2. Parabéns pelo blog e belo lindo texto, Mari. Cozinhar é sim, uma paixão e um ato de amor! Que venham mais textos deliciosos pra gente acompanhar. Adorei! Luiz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz, você mais do que ninguém sabe o quanto a cozinha pode ser apaixonante! Espero que continue frequentando o blog!

      Excluir
  3. Eu AMEI o blog novo!
    Ja to "faminta" pelos futuros posts que tenho certeza que serão "deliciosos"!
    Sucesso amiga!
    Beijokas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, amiga! Você bem sabe que é uma das minhas cobaias, né?!

      Excluir
  4. Amei, até o jiló! Delícia de blog! Arrasando de novo. Adoro essa coisa "Festa de Babete" e "Como água para chocolate". Comida, sentimento e arte. Ingredientes perfeitos para uma degustação inesquecível!

    ResponderExcluir
  5. Mari! Cozinhar é uma paixão... E comer? É o que, então? Keep posting :)
    Beijos
    Therys

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Therys, ótimo comentário! Vou ter agora que fazer um post sobre a paixão que é comer! Beijos!

      Excluir
  6. Amore! Texto perfeito! Nos fez sentir todas essas coisas maravilhosas que você nos proporciona quando cozinha! Estou até sentindo cheirinho de comida quentinha! Eu estou passando por um momento amor e ódio com a cozinha. Sou tão desastrada! Jogo comida no chão, não sei cortar os alimentos, salgo a comida, enfim, um horror! Mas não vou desistir! Sei que também posso sentir esse prazer e quero muito chegar ao ápice da delícia culinária! Espero poder aprender mais e mais com você! Parabéns pelo novo blog! A SUA CARA! Te amo!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmã amada, a cozinha apronta muito pra cima da gente! E, como disse no texto, não é apenas quando somos inexperientes. Tem vezes que nem aquele bolo que a gente bate toda semana sai direito. Mas faz parte! O lance é não desistir, pois, aos poucos, cozinhar vai se transformando numa das coisas mais gostosas da vida!

      Excluir
  7. Xará, vontade de continuar degustando o sabor dessas palavras! Adorei porque é exatamente o que sinto quando também vou pra cozinha, ou para a página branca!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha só que surpresa! Não sabia que você também curtia a cozinha - assim como eu! Então saiba que o blog está aberto a suas contribuições! Receitas, dicas de cozinha ou textos saborosos! Beijos!

      Excluir
  8. Amei, Mari!!! Vou acompanhar sempre! Uma delícia de leitura!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou, querida! Acompanhe mesmo!

      Excluir
  9. É, Mari, a cada dia mais salivo com suas comidas - e com seu texto, delicioso!!!! Vou passar sempre pra "filar uma boia"!!!! Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sá, antes de mais nada, muitíssimo obrigada pela ajuda para que o blog saísse do papel! Sua contribuição foi super valiosa! Como recompensa, farei de você uma de minhas cobaias! Hehehe! Cuidado que pode ter que provar coisas queimadas!

      Excluir
  10. Eu quero esse ovinho ai da foto...heheheh
    Sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dani, eu também achei esse ovo um luxo! Foi por isso que ele veio parar no blog... Bj

      Excluir
  11. Vai ser duro ler as suas experiências, ver as fotos e não poder degustar....rs.
    Bjs, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, amiga! Quem sabe em breve não lançam um site que permita também degustar os pratos? Beijos!

      Excluir
  12. Inspirador, Mari! Você acaba de me dar um olhar diferente para a culinária! (;

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, querida! Quanto mais gente cozinhar apaixonadamente, melhor para o mundo! :)

      Excluir